Translate

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Quem viver verá

Há vinte anos atrás o câncer era um doença bem mais para incurável do que hoje em dia, apesar de todo esforço da medicina. Todo esse tempo sob a promessa de uma sobrevida, "vinte anos", quando na época o cálculo de tal sobrevida era de dez anos, faz de mim um caso raro e tendo em vista que estou bem, de bem com a vida, acabo de lançar um outro desafio: Viver mais vinte, usando os novos recursos existentes caso sejam necessários. Preencho o meu Blog com alusões seguidas ao câncer, porque é sério e pode ser evitado o alastramento da doença, com visitas periódicas ao médico da preferência de cada um. O pior procedimento é o de deixar o barco à deriva. Tenho dito que a vida se torna absolutamente muito mais interessante diante da perspectiva da morte e quem cuida da vida, tem razão. A vida merece ser cuidada sim pois existem prazeres que são descobertos,... que aparecem com o tempo e entre eles, o prazer de estar aqui, escrevendo, alertando o pessoal do deixa pra la, certo de que esse pessoal não irá ler meu Blog, mas... o prazer está justamente ai, na confecção de um artigo para meu prazer de escrever e, se por acaso alguém se cuidar melhor por causa dele, o artigo, estarei sem saber ao certo, mas feliz. Feliz por mim, pelo meu desejo, pela minha lapidação que só está sendo possível, graças a minha... sobrevida.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Réquiem para o inimigo... O cigarro amigo.


No meio da madrugada, acordo de repente e anuncio à noite e ao seu silêncio:   __Parei de fumar!   Não fosse o gorjeio longo de um pássaro noturno naquele quase exato momento, a exclamação teria sido desprezada, ouvida sem crédito,  apenas pela minha mulher, acostumada a bravatas sem horários, mas de um  anúncio que deu-me  pânico, pois o alarme não era falso. Não era falso  por conhecer... eu mesmo, a mim. Havia disparado uma verdade e iria acontecer de qualquer maneira. São verdades vulcânicas, vindas de dentro que acontecem e, apenas usam nossa língua para expeli-las. E agora? Pensei. Como fazer sem fumar. Preciso dar elementos à verdade escapulida. Contido um pouco o pânico, tratei de pensar em como elaborar um plano de emergência e foi pensando assim:

1-      Não jogar fora pelos próximos dias o cesto de lixo com maços amassados.  
2-      Vou economizar 400 reais  mês  sem falhar nem um dia de gasto.
3-      Vou me livrar da preocupação de não faltar cigarros em casa.
4-      “Hoje 3 dias sem fumar”.  Respiro melhor, ...desimpedido , sinto o ar em movimento.
5-      Comecei a sentir cheiro das coisas outra vez.
6-      Parei de procurar o maço de cigarros a todo instante.
7-      Sinto auto estima melhorando. Valorizo-me olhando no espelho.
8-      Escrevendo aqui, pego força para não relaxar.
9-      Mantendo controle emocional – Importante manter a calma.
10-   Andar nas calçadas sem os olhares amaldiçoantes dos ex-fumantes
11-   Dirigir o carro sem ter que esconder a mão com cigarro.
12-   A mesa do computador, agora com uma banana e um copo d’água, invés de cinzeiro.
13-   Livre do  eterno cigarro aceso na banca da minha oficina de marceneiro.
14-   Livre do cigarro mais importante do que qualquer outra coisa.
15-   Adeus... Fumaça ardida, fedorenta, impregnante. Adeus amigo!  

Não faço o tipo arrependido e seria ingrato ao afirmar que cigarro só me fez mal. Mal fez e faz, mas foi companheiro da minha solidão, da minha descompressão - quarentena para ser posto no mundo dos espertos, dos amigos inseparáveis do próprio umbigo.  Se a vida tem um preço,  trato de pagá-lo do jeito que consigo.  Inclusive acho mesmo importante para os que decidirem parar de fumar, não agredir, insultar o cigarro, sob pena de perder o fio da meada e até mesmo, precisar  voltar a fumar, por não conseguir uma extensão suficiente para declarar a separação definitiva.