Translate

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Meu avô


Elegância não está apenas no gênero. Pode estar nos fins.
Meu avô falava 7 línguas e estudava todas as noites em sua sala de leituras. Era simples com homens e complicado demais para si mesmo. Digo isto por intuição e pela soma do que ouvi falar dele. Sua vanguarda era pessoal, não há dividia com ninguém e criou de modo que um dia, encontrando um dos meus conhecidos da cidade de Baixo Guandu - ES; em Vitória - ES;  perguntei se ele tinha ido recentemente a Baixo Guandu. Sua resposta foi um sorriso e depois disse: Baixo Guandu sem o seu avô não existe para mim. Ele foi a consciência daquele lugar e o pior é que hoje em dia, a política o desmerece e o desconhece, botando como galinhas, outras galinhas em seu lugar. __ Não me interesso mais pelo lugar! Disse ele. 


Esta é a foto da usina de luz que ele construiu so$zin$ho, com a esperança de obter recursos que nunca chegaram.  




Minha tia Margaret conta que meu avô foi categórico ao ver o projeto da ponte: Vai ser levada pelo rio.



Esta é a foto do dia em que a ponte foi levada.


  


Apagão

Risco maior é o de se criticar o apagão, palavra chave contra o governo de Fernando Henrique Cardoso, que tanto faz vergonha aos ptralhas. Tudo o que foi organizado por FHC está sendo sistematicamente dilapidado, canibalizado.

Estrategicamente a Dilms declarou que a conta de luz iria baixar até 20%; e que assim a produção iria crescer e etc. e tal. Ora, a incoerência de tal desmando não tem sequer um refugio, pois os apagões se sucedem para o desespero das pessoas e tudo que diz a mulher maravilha se resume a declarações aleatórias, que reduzem os apagões a simples defeitos, causados por falha humana, etc. etc. etc. Reage essa sombria senhora, assumindo a cara de pau do seu antecessor para proferir mazelas douradas  às pressas diante dos apagões, com uma série de frases guardadas a espera e, mais, de acordo com o acontecido.

Por outro lado, o povo cansado de pagar um custo tão alto pela energia consumida, vê com bons olhos a promessa de diminuição de uma conta que não deveria ser tão alta. Tal medida, vem para diminuir os cuidados das concessionarias de energia com seu produto final e, vem em forma de +,+, +, apagões. É a forma de protesto, de se fazerem ouvir, senão pelo governo, pelo menos pela população. Porém, um governo insano e cretino como esse, passará ao povo, que a culpa (como sempre) não é dele e sim (???) do governo de FHC? Quem irão culpar? Quanto a isto a preocupação é pequena, pois a quadrilha joga com a certeza de que tudo o que fazem é aplaudido por seu povo, o mesmo povo que ainda é obrigado por lei a votar em pleno SÉC XXI.

As reações abafadas das concessionarias me faz lembrar da quebra dos vidros do palácio do Planalto nas comemorações de 7 de setembro retrasado, quando os jatos deram seu "Ila" em voos rasantes que tão bem são conhecidos de todos os pilotos de tais aviões. O pt não pode mesmo se desfazer de seus membros, tendo em vista que os mesmos funcionam como parte de uma brigada que sabem de muita sujeira - em forma de uma grande corrente e, que não pode ser quebrada, sob pena de ser, o partido como um todo, irreversivelmente desmascarado. Aliás, hoje eu li alguma coisa dizendo que o Ministério Público está pedindo a quebra do sigilo bancário do petralha maior, o chefão. 

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Mercury 1949




Repare que esta maravilha da conservação é simplesmente atualíssimo em seu Design, criado há 60 anos atras e exclusivo, porque o seu projeto foi logo abandonado e os Mercury, seguiram outro curso pelos anos que se seguiram. Para comprovar isto basta pesquisar a história dos Mercury no Link a seguir.


Esse é um BMW 2012. O Design é o mesmo. 


http://www.cars-on-line.com/mercury.html

Os Links a seguir servem para se apreciar alguns Mercury Coupe 49

 http://www.cars-on-line.com/63147.html

Mercury Coupe 1950 - branco atualizado - Vidros elétricos / Volante atualizado / Ar condicionado / Retrovisores modernos / Encosto de cabeça / Cintos de segurança diagonais.



Mercury 1949 - uma série de fotos maravilhosas.

http://www.gatewayclassiccars.com/displaycar.php?stock=5241&location=STL

Mais Mercury

http://www.cars-on-line.com/63681.html


Os carros modernos perderam a personalização e escondem seus ocupantes com vidros escuros e sistematicamente fechados. Reparem os Mercury Coupe 49 / 50. Eles têm o Design dos carros modernos, numa prévia mais do que exata a respeito do que viria a ser o carro moderno. Seu desenho é mais acentuado do que os atuais modelos, mas uma extraordinária visão de seus criadores.

Alan Jackson e outros dão uma cobertura para se ver os Mercury - Grande som do country americano.

https://www.youtube.com/watch?v=kMyCvGCUZLA

https://www.youtube.com/watch?v=3T3MgIRUwj0

https://www.youtube.com/watch?v=95BwLrPtguQ

https://www.youtube.com/watch?v=evlxwkZWE3U

https://www.youtube.com/watch?v=CJdUAdnbpMI

https://www.youtube.com/watch?v=axS8s2NIRIY&list=PL2CF93886132B9137

  






domingo, 23 de dezembro de 2012

Lei molhada

Impressionante como as pessoas chegam molhadas na lei seca. A outra lei, a que molha o cara por dentro... A que da uma autoridade e uma notoriedade também ao indivíduo, embora que momentânea, a que se encerra com a caída da ficha na delegacia e na perda do direito de dirigir, tem poder. Tem o poder de transformar um pacato cidadão em cavaleiro do seu próprio destino, transformando o tal pacato em... Potencial assassino, que assumiu o risco, que desprendeu-se da responsabilidade social vigente, que esqueceu-se de toda a sua construção emocional e patrimonial, em função, pasmem, de dirigir alcoolizado.

Por quê? Porquê uma pessoa assume esse risco, o risco de ser apanhado, o risco de atropelar, bater em outro carro... de morrer, de matar? Não é pouca coisa! Não! É muito sério, é como sair de casa armado, sem intenção de atirar, mas armado e, ao ingerir bebida alcoólica ficar a mercê de seu alter ego. que reage por estímulo exterior, que foge do controle do raciocínio lógico.

Pessoas de bem, que trabalham duro pra ter fon fon, que cuidam da moral de sua própria família, um belo dia aparecem numa reportagem, falando mole, querendo mentir sobre a dosagem de sua própria alcoolização e isto não é nada bonito. Não é bonito ser visto por um filho, pela mulher, pelos amigos... Espera! Amigos não, eles provavelmente estejam em outra blitz, com os mesmos problemas, ou não, talvez os amigos mais espertos tenham seguido de táxi e, que talvez nem sejam tão amigos assim. Eu, sinceramente nunca me dei bem com amigos de copo. Sempre me dei foi mal, em tudo por tudo. Mas, não estamos aqui para discutir, apenas para alertar, que a polícia gosta disto, de encontrar o peixe, assim como qualquer um de nós gosta do resultado do próprio trabalho e será mentira de todo àquele que negar isto. O policial nunca estará para ouvir estória de bêbado, principalmente aqueles mais idiotizados pelo álcool.
Hoje em dia a pior coisa que se pode fazer é beber e dirigir. Não é mais como antes, que não havia muito o que fazer com o bêbado ao volante. No máximo, obrigava-se o infrator a ficar no carro até melhorar, isto dependendo de onde o tal fosse apanhado. Numa blitz, pasmem, o tal era muitas vezes liberado para seguir, justamente porque não havia lei para bêbado.

Ouça um bom conselho. Que eu lhe dou de graça. Inútil dormir que a dor não passa.   

domingo, 16 de dezembro de 2012

Finalmente consegui

Ontem foi o primeiro dia da minha ginástica totalmente auto desenvolvida, filosoficamente falando. Ontem, coloquei umas músicas - Xote Gaúcho e, comecei a dançar sozinho de acordo como me foi ensinado por um amigo. São dois passos para um lado e dois de retorno. Assim, fui desenvolvendo a coisa e por fim lembrei-me de um dia em que fiquei olhando um senhor dançando num forró e ele, dava uma espécie de marcação batendo o pé no calcanhar. Uma vez um e outra vez outro. Ao fazer a mesma coisa, consegui botar uma ordem nos meus movimentos. Dancei e fiquei entusiasmado. Dancei inclusive com a minha mulher que dança muito bem e que por isso mesmo ficava difícil entender a rapidez dela em me ensinar o óbvio - para ela.

Hoje de manhã acordei e logo fui botando os Xotes pra tocarem e em seguida ouvi que isto não era hora de fazer barulho, mas, fui compreendido por estar basicamente tentando exercitar-me. O estímulo, a empolgação e 'O Xote das Meninas' - Gonzagão, um, certo balanço adquirido assim, atrevido, em até pouco tempo fez a empolgação continuar até que um cansaço nas pernas começou a crescer tanto, que deitado senti-me meio que sumindo, sem mais força nenhuma,... Exaurido. Minha sorte foi o almoço, que era uma galinha de panela, com quiabo e angu. Comi como há muito tempo não o fazia e com grande prazer.

Uma vez regulado o processo de evolução dessa minha nova empreitada, espero poder voltar ao bailão, la do pessoal que dança muito a vontade e fazer bonito também. Aguarde-se!
Tem coisa na vida que a gente vai adiando e ela, a vida, passa sem que se faça uma coisa tão importante como aprender a dançar. Dançar faz parte da evolução do homem no universo e não deveria ser relegado, assim sem mais nem menos. Por outro lado a mesma vida tem me mostrado que nada acontece fora da hora marcada. Nem mesmo a maior fortuna do mundo, ou a maior pobreza. O fato, é que dançar, neste exato momento pode ser a diferença, pra mim, entre viver e morrer. Sem vontade nenhuma de sair por ai caminhando no sol, contrariando o bom senso e, longe o bastante de academias de ginástica. Nosso bairro não tem academia, optei por dançar, aprender a dançar, o que achava impossível.     

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Armas químicas na Síria

Seria possível não usarem armas nenhuma? A reportagem diz que Obama avisa que - arma química não pode. Ora Obama, avisa ai que não pode usar arma nenhuma, avisa que o tempo de fazer guerra chegou ao fim, afinal, temos torcido por você, sua reeleição.
Desculpe Obama! Até penso que você também acha que não deveríamos ter guerra nenhuma, mas, infelizmente não é assim que banda toca. Quando a banda toca, o melhor é fechar as janelas e esperar pelo pior, se bem que eu pessoalmente, acho que o melhor é esperar pelo melhor, mas isso é outra história. Imagino Obama, o quanto deve ser difícil conter esse belissismo republicano muito interessado em armas, guerras e irresponsabilidades com os outros países da esfera em que vivemos.  

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Europa estacionada

Otimismo na Europa é coisa do passado. Hoje com as zonas de conforto estabelecidas e bem remuneradas, com seguridade social muito acima da média do terceiro mundismo, fica difícil produzir, concorrer com os países em chamado desenvolvimento.

Upgrade - A última grande atualização da vida na Europa, se deu com o fim da 2ª grande guerra mundial, quando todo àquele povo se uniu para retomar a vida. Isto foi uma atualização e poderia acontecer de novo, dependendo apenas dos meios. O risco de uma grande guerra existe e não deve ser descartado. É preciso entender que atualização não é criação de um modelo, como é o caso dos povos emergentes, dispostos a sacrifícios diferentes, muito mais sujeitos ao desprezo e a indiferença de uns pelos outros e sem um patriotismo que estimula por rápida contaminação todo um povo e todas àquelas nações. Nós, de maneira geral, não temos nenhuma espécie de brio, orgulho de alguma coisa. Ao contrário, somos muito mais de aceitar tijolinhos, esmolas e, até de providenciar + filhos com a finalidade única de obter + cartões bolsa eleitoreira.  No Brasil ainda é normal se pensar em 10 filhos e com isto, se obter 10 ajudas de cartões bolsa não sei das quantas.
Eu não imaginava que uma greve de tão grandes proporções estava a caminho na Europa nesta quarta feira 14 de novembro de 2012. Portugal e Espanha, literalmente em greve, com passeatas incalculáveis, justamente na tentativa de se manterem estabilizados em suas zonas de conforto, o que não será possível, uma vez que não há Euros suficiente para esta manutenção e tampouco há empregos equivalentes ao tipo de concorrência apresentada pelos países emergentes, onde a seguridade social é precária ou quase inexistente, onde a massa humana trabalhadora serve-se de qualquer quantidade paga, com mínima reclamação. Por aqui, vale mais ter trabalho.  

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Estrada






Momentos, curvas da vida, são acontecimentos marcantes que precisam ser identificados porque a partir de um desses acontecimentos, muita coisa pode ser consagrada e resolvida, bem resolvida ou, mal resolvida. Isto depende sempre dos caminhos percorridos para se chegar ao ponto do acontecimento. Evidente que se as escolhas a serem feitas puderem ser boas, muito boas ou ótimas, é de se calcular  um bom desfecho, mas ao contrário, escolher entre o menos pior e necessariamente é previsível e, não é nada fácil. 
Há momentos na vida em que escolhas simplesmente caem no colo e precisam ser feitas, tal como uma proposta de trabalho, nem sempre, aparentemente compatível com as aspirações, ou proposta de mudança de lugar, de país,... de planeta não digo, mas é como se sente às vezes, a criatura exposta a estas questões. 
Mudar, aceitar novas condições, nem sempre é fácil, mas pode definir de um modo automático, certos entraves de uma personalidade paralisada em idéias preconcebidas e que, não sairia do lugar se não fosse por um tranco do destino.  

Vencer?


Vencer é mais, é ressurgir, inalar a equalização de nossas melhores sensações e poder, de algum modo, doar isto, disseminar a própria grande descoberta. É mais do que um jogo, é mais do que vencer e, vencer, pode até mesmo ser menos. Vencer é descobrir nosso limite, andar nele, ter nas pontas dos dedos, o contato, a luz da verdade, que eu sei apenas, de ouvir falar, mas que busco... Sinceramente busco. Busco mais, sem morrer, busco os sons do universo, para contar a todos que ouvi, senti e que por isso mesmo, devemos confiar. Busco e, pouco me sobra para dedicar às derrotas.

Mequetrefe



                                  O que não é mequetrefe neste país?

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Futuro que queremos




Nunca houve um desenvolvimento tão rápido quanto o dos últimos 100 anos e que comprimido, poderia ser dos últimos 50 anos e, que comprimido, mais comprimido, poderia chegar a uma década. Os avanços, as novas técnicas, prometem descobertas fantásticas tais como a energia da anti matéria, que de imaginação, passará a fazer parte do nosso dia a dia num clique. O computador, a noção de máquina inteligente que chega a pensar, já está a caminho e dentro de algum tempo, aeronaves por exemplo, terão pilotos cibernéticos.
Falar do futuro é tão vasto hoje em dia, que o melhor mesmo é pular e tentar chegar a uma conclusão mais objetiva sobre o que será viver no meio de toda essa construção, ora em andamento. As ideias não param e ascendem a  cada minuto novas propostas que automaticamente exigem investimentos literalmente astronômicos, tanto no que diz respeito ao financeiro, quanto na capacitação intelectual.
O futuro não me pertence mais, porém, tenho tido o prazer de assistir a tecnologia preparar por exemplo, em seus subterrâneos a colisão da partícula de Deus, cujo objetivo desconheço mas que não está sendo buscado atoa.  

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Obama

Fiz uma postagem sobre Obama pouco tempo antes das eleições nos EUA e acabei cometendo um erro de concordância bem no final da postagem - a última frase. Ao invés de continuar afirmando que se Obama ganhasse, acabei afirmando que ele iria ganhar, Reparem!
http://alfredo-modelosnavais.blogspot.com.br/2012/10/reeleicao-de-barack-obama.html
A palavra tem força e agora com ele reeleito, percebo que eu, e mais o mundo todo, forçamos de todo jeito possível para que isto acontecesse. Uma vitória pela paz, uma vitória pela continuação da vida, de um povo que finalmente resolveu, pelo menos 50% desse povo, resolveu encarar a realidade que estamos, o mundo todo vivendo e, a realidade é que precisamos descer do cavalo do desperdício e do conforto a qualquer preço. Precisamos arregaçar as mangas para tentar prolongar a agonia do planeta, tendo em vista que enquanto houver vida, há esperança.

sábado, 3 de novembro de 2012

Crack... Internação obrigatória?

Mais do que um depósito de humanos, um depósito de humanoides sucumbidos pelo mal do vício, desta vez, vício do crack. O apelo da internação como alternativa para retirar das ruas os viciados, me faz lembrar da Sandra Cavalcanti no Rio de Janeiro, acusada de eliminar mendigos. Lembram? Se ela visse o que acontece hoje com o vício do crack, talvez tivesse investido em outras atitudes. Políticos são assim, ambiciosos em busca de mais  poder, tanto, que mais uma vez, imitando a Sandra voltam com a mesma proposta - de eliminação de um  problema social... Como? Varrendo para debaixo do tapete.

Claro que uma internação compulsória que envolvesse pelo menos um aparato condizente, seria bom. No entanto, o mau cheiro, o cheiro de benzina misturado com urina e o apodrecimento dos dentes e, as vestes impregnadas de imundices nestes seres entregues a essa doença, não facilitam em nada os serviços necessários para o recolhimento e os primeiros contatos médicos e de qualquer outro contato. A vala comum é a ideia mais próxima que ocorre a um ser humano que esteja fora desse problema, mas, também ocorre a consciência da intolerância, palavra muito proferida pelos pastores ricos aos seus fiéis por ai. Intolerância é inerente a falta de paciência. pressa, tropeço na fé em Deus, descaso pelo outro, desejos mal resolvidos e vai por uma longa lista de cobranças do homem pelo homem. Cobrar de quem? Se pela lei seca da fé em Deus não sobra ninguém mais para responder a pergunta. Cobrar de politico o que cabe a si mesmo fazer, construir?

Nos países frios, onde a lei da seleção natural acabou construindo uma sociedade mais limpa, limpa no caso, é de roupagem e outros adesivos e nem por isto mais humana. Ao contrário, foram construídas sociedades muito mais convenientes do que qualquer outra coisa, distante porém, desse terceiro mundismo  há que estamos acostumados. Sem enganos é preciso entender ainda que tais sociedades, as de primeiro mundo, foram responsáveis pelas grandes guerras do planeta e acham natural suas madeiras brasileiras em todas as suas obras de belezas inquestionáveis.

Separando alhos de bugalhos vamos voltar a vaca fria do inconsciente presente, fora o aforismo. A vaca, fria, é o amontoado de seres humanos dependentes de uma droga muito mais do que alienante, é letal sem morte iminente, é fato e também um retrocesso na evolução humana sem precedentes, embora o sem precedentes hoje, esteja em quase tudo. Imagine-se que um dependente engravida outra dependente e desta relação irá nascer um ser... Humano, que dificilmente poderá ser um futuro presidente deste país, apesar de que o país aceita como seu presidente coisa como o Lula.. Da Silva. No mínimo, dependentes estão literalmente espalhando é desgraça. Desgraças, cujas consequências estão se formando tenebrosas para um futuro muito próximo, de meninos, rapazes, homens, com cérebros atrofiados, estúpidos e inservíveis para manobras da massa. Quer dizer, representam apenas despesas, coisa que o contribuinte já não aguenta mais. Imagine! Trabalhar para sustentar vagabundo. Um vagabundo, imaginado e criado e desenvolvido pela nossa inconsciência, que olhamos os nossos filhos e netos perfeitos, sem defeitos físicos e, até o momento, livres dessa droga de droga. Com isto acabo de dar a receita para a criação de um partido do tipo neo nazista, pronto para destruir, segundo a sua fisiologia, que nada mais seria do que a ideia de corpos a salvo, limpos e independentes, prontos para destruir de um só golpe o grupo associado de dependentes químicos. Caça as bruxas dependentes. Vejam como tudo retoma o passado com precisão e rapidez meteórica. Num instante deixamos de ser racionais e passamos ao terreno de uma pseudo ação. Quantos de nós não seríamos adeptos deste novo neo nazismo?


   

domingo, 21 de outubro de 2012


Extraído do blog
http://doutrina-kardec.blogspot.com.br/search/label/DIFICULDADES

Paz e Luz.

- Ramatís e André Luiz -
(Recebido espiritualmente por Wagner Borges - Texto extraído do livro "Viagem Espiritual - Vol. 3" - Editora Universalista - 1998.)
- Nota de Wagner Borges: recebi este texto no quadro de aula, durante uma palestra com cerca de 170 pessoas, no IPPB, em São Paulo. Logo depois, um dos espíritos da Companhia do Amor* complementou esses escritos com o seguinte:

"As vidas passam, as eras se sucedem, mas uma coisa nunca muda: em alguma época, o Amor Maior capturará os seus corações e os encantará com a doce presença de uma Paz tão grande, que nem vocês mesmos acreditarão que um dia viveram e falaram de violência, em um planeta atrasado, lá nos confins da Via Láctea."

Fiquei sinceramente emocionado com esse enunciado e na esperança de melhorar sempre.
Recomendo.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Reeleição de Barack Obama




A indústria bélica americana e também seus braços pelo mundo não estão satisfeitas com a possível, desejável e louvável  reeleição de Barack Obama. Salvo um desacerto fora de seu controle, Obama continuará sua politica de paz com vigilância nos moldes americanos e eu confesso minha simpatia por alguém disposto a dizer não a fomentação da guerra como elemento de antecipação para recuperação econômica dos EUA. Parece até brincadeira mas não é. Os EUA mais republicano do que democrata, sempre defendeu o desenvolvimento de novas armas e o seus testes em guerras arranjadas - em outros países, claro! Torço por ele e torço para que ele próprio, sobreviva ao que irá enfrentar quando reeleito.      

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Carminha

Carminha é um deletério, uma insanidade de todos os tempos. Sempre existiu. Um querido amigo, me disse outro dia que Deus, não dava ao homem toda a capacidade de conhecimentos existente, porque ele, o homem, iria usá-la para o mau e é verdade. Acredito em ainda mais Gentil! (O nome do meu amigo é sugestivo e apropriado - Gentil - e que não se enganem os estúpidos). Acredito que nos tempos atuais, onde a evolução já não cavalga, segue... A jato, estamos vivendo um linear. Ontem li um comentário de uma psicóloga sobre a (movimentação - exercício naval no golfo Pérsico, que seria a maior da história), onde ela dizia que "tem algo de estranho no ar".
Gentil é espírita e um amigo e, ele me acalma imediatamente sempre que conversamos. Sua visão sobre o caminhar da humanidade é sempre racional, conclusivo e contém elementos da noção cabalística. Tais elementos estão ligados ao caminhar da movimentação humana que não ousa se ligar, pelo que seria o amor, pela compreensão. Ao contrário, a humanidade está optando pelo desligamento, pela separação, por seguir em busca de uma espécie de auto suficiência, onde a vida melhor seria... Por exemplo a dos Nerd's; que mal sei o que significa em termos de filosofia. Sei porém, que é catastrófico porque a exigência de um egoísta extremo não tem limites.    

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Graviolas



Amanheceu e o senhor Nilton, como faz toda semana, trouxe couve, cebolinha e salsa. Tudo sem agrotóxico  tirado da horta na hora. 




Durante um bom tempo andei procurando graviola para comprar e quando encontrei, numa estrada, num lugar metido a naturalista, comprei todo entusiasmado uma fruta podre por dentro e. caro, muito caro. De outra feita encontrei num desses carrinhos de esquina em Guarapari, mas o senhor que vendia as coisas me desiludiu: 
_ Já está vendida!
_Tem mais? 
_ Não, a procura é grande e não consigo atender.  

Finalmente elas aconteceram no nosso quintal e o besouro da polinização, que zumbe por aqui, está sendo tratado como um rei. Nosso pé de graviola resolveu dar frutos impecáveis, lindos e deliciosos. Nosso freezer está cheio de polpa de graviola e, vejam só: Procurei uma coisa por um bom tempo e a natureza real, àquela que nos observa, interage com a nossa sensibilidade, resolveu encher nossas vidas de graviolas. Toda vez que alguém esperar um fruto que não vem, de algum pé de frutas no quintal, deve tentar ouvir o besouro da polinização, porque tudo irá acontecer quando ele aparecer e resolver - namorar o seu pé de frutas. A verdadeira relação entre o besouro e o pé de fruta, acontece, não por acidente, mas por uma relação de vida, de cheiro, de certos barulhos e claro, nem sempre por estas razões, mas outras ligadas a natureza, que embora não pareçam, estarão sempre ligadas, entrelaçadas com a vida, o planeta, o universo e, porque não, você, seu carinho, seu modo de olhar e sentir a vida que flui, que avança onde cresce o entendimento e,... Que vença a tolerância!
Considerei a postagem terminada, desliguei o computador e fui até a cozinha tomar um copo de suco de graviola ... naturalmente. Abri a porta dos fundos e entraram, nossa gata e a bolinha. A gata como sempre, miando atrás de ração e a bolinha, nossa cachorrinha, atras dela. Com a ração posta no potinho, a gata que não come outra coisa, nem mesmo uma sardinha bem fritinha, com batatas coradas - de vez em quando, é uma maravilha, mas, depende da sardinha. Peixes têm segredos, muitos segredos. Voltando ao assunto, a bolinha, espera a gata comer a ração e depois, come o resto. Bolinha foi criada com uma gata, com nome de macho, Tchuco, de uma amiga nossa. Ela nos alugou por muito tempo uma casa, onde nos deram a bolinha, muito miudinha e, que foi adotada pela gata. A mãe da bolinha morreu, se não me engano na hora da cria. Quero dizer, com esse comentário, que vou fazer uma postagem com fotos sobre a bolinha e a nossa gatinha. Aguardem.        

sábado, 6 de outubro de 2012

Jogador Viola

Tenho lembrança remota do jogador Viola na seleção. Acho que foi em 1994, coisa assim, que a seleção ganhou a copa e o Viola estava lá e agora foi preso. Triste destino para quem experimentou a glória de ser campeão.  

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Celebrando a vida


Serei sucinto:
Com a morte da Hebe, uma angústia quis tomar conta do meu bem estar. Estou vivo! Estou vivendo dias bons e a morte, a lembrança da morte, do fim como destino obrigatório, última parada, me deixa triste. Já pensava nisto quando todo dia, num determinado horário, tinha a escolinha do professor Raimundo e eu, pensava: Um dia isto deixará de existir e é tão bom - __E o salário Oh! Nem sempre ouvia as piadas, mas o murmurinho da televisão, o barulhinho, as risadas dos alunos irremediavelmente burros e a paciência do professor Raimundo de Maranguape,... Enfim: Tudo o que nos trouxe nessa modernidade um interesse maior pela vida, seus percalços, notícias de último minuto, de acontecidos la no Japão, que não é mais onde o diabo perdeu as botas.

A Internet. Ah!!! A Internet essa amiga inseparável do meu cotidiano, das noites sem insônia, quando já deixei de fumar, de beber. Meu vício agora é ela, a Internet com a informação nas pontas dos meus dedos - a extensão do meu cérebro, a correção das palavras escritas erradamente.

Por estas razões e outras mais, um exemplo seria... Uma moqueca de lagosta (delícia) preparada a moda da moqueca capixaba. Estar com as minhas filhas, quando aparecem, é um negócio do outro mundo - fico meio estático de alegria, de bem estar. Vai por ai um monte de motivos para continuar - enquanto Deus deixar. Quando eu era jovem, muito jovem - um menino, morávamos próximos a linha do trem. Era a casa do meu avô! Eu ficava impressionado com o último vagão das composições enormes com vagões todos construídos em ferro e lá no último vagão, sob uma espécie de tablado, comum a todos os vagões, ia sempre um vigia, um homem da companhia, no caso, a Vale do Rio Doce. A noite aparecia uma lanterna ao lado dos homens - vigias solitários das composições de trens de minério que iam de Itabira em MG ao porto de Tubarão em Vitória ES. Hoje em dia continua a evacuação de minério pelo sistema de ferrovia, mas, muito mais amplo e modernizado. Nem sei mais se o homenzinho continua lá, perdendo a vida, dando a vida num final de composição, extremamente solitário, sob um manto acinzentado durante as noites com sua lanterninha pendurada. A vida é muito importante para o universo de nossos pensamentos e, creio, que certos trabalhos, tais como o de vigia de último vagão, são impróprios e necessários. Impróprios ao tempo, a razão de viver, enquanto a companhia aufere lucros indecentes, mentindo ao infeliz homenzinho com promessa de vida, pasme, promessa de segurança patrimonial e uma aposentadoria. Estas coisas na cabeça do menino não estavam muito claras, mas, já despertavam uma grande curiosidade. O Curiosity faz a mesma coisa em Marte - nem mais nem menos.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Ucrânia e Urucânia

Meu blog recebeu uma visita da Ucrânia e eu, fatalmente relaciono os nomes, pois numa determinada época, convivi e trabalhei num lugar do Rio de Janeiro - Santa Cruz, que tem um dos bairros anexos chamado Urucânia. O meu caminho para pegar o trem da central, era encurtado se fosse feito por vielas existentes por dentro de uma favela enorme que era ponta, parte final de um conglomerado de favelas, cuja visita pode ser feita pelo Mapas do Google. Tal caminho era pontuado por 'biroscas' onde se podia tomar um trago a cada cem, duzentos passos e, era o que eu fazia de vez em quando. Minha vida naquele tempo estava meio tempestiva, misturada a um trabalho que me prendia ao lugar. Viajar no trem da central uma hora e meia para chegar na central era tortura demais para mim e por isto, ficava por la mesmo, morando por perto do tal trabalho e com isto, estudando em loco, a vida batida na cultura de um liquidificar muito louco onde o moderno mistura-se com a falta de estrutura econômica e social, regiamente administrado pelo horário das novelas globais. No mais, as casas de alvenaria eram admiradas, por não serem de tábuas e tais casas nem sempre eram rebocadas e pintadas. Ficavam nos tijolos aparentes e quase sempre, visivelmente colocados por quem jamais foi responsável por obra nenhuma, dado os desníveis das obras. Portas tortas e janelas caindo, eram muitas. Tudo isto acontece devido as vidas apressadas em ganhar o pão de cada dia, com fins de semana cheios de uma ilusão prática alimentada pela cerveja e pelo sagrado futebol. Continua  

domingo, 9 de setembro de 2012

Fulaninha

Na minha terra, mulher que namora muito, fica atrás de homem rico, jogador de futebol e marido de rival precisa se recompor o mais depressa possível. Precisa de vergonha, precisa pensar mais nos pais, precisa confiar mais em Deus.

Não estou aqui para questionar ninguém, julgar ninguém. Tanto é verdade que comento a respeito do assunto e já me esquecendo do nome da figura em questão, que de fato, importa muito pouco. Não importa para ninguém, alguém cujos dotes físicos são os únicos elementos de valor. Valor para homens sem rumo no campo sentimental, homens que procuram nas curvas de mulher, qualquer mulher, uma noite imbecil e sem nenhuma outra coisa que não seja gozar por gozar. Menos prejuízo seria uma masturbada.

Tais homens acreditam que chegar com uma mulher bonita num lugar, lhes darão status, inveja dos amigos, se é que têm algum amigo. Difícil mesmo saber de amizade quando amigo é como ele próprio, inimigo de si mesmo, sem escrúpulo e caçador de vantagens. Predador - é um termo imbecil para uma vida imbecil e que deve continuar imbecil, uma vez que para tais indivíduos, só a imbecilidade faz algum sentido.

Eu gostaria mesmo é de viver como vivo hoje por muito mais tempo,... Não sem a noção do perigo, não sem a necessidade de controlar o que como "comida ta", para não entupir as veias, não sem pensar na caminhada que não consigo dar. Tudo isto, para continuar tendo o prazer de viver, sentir o vento, a brisa e mirar o mar,... Escrever o que me der na telha, além de falar muito, quando sentir vontade e ter quem ouça, se interesse e retruque, dando ao dia, ou ao meio da noite, contornos de inteligência a viada vida,... Como ela é. 

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

O Bom e o Ruim


Nestes tempos diferentes, onde a doença incurável pode ser curável, pelo menos para presidentes e candidatos de carta marcada para exercerem tal cargo, traz consigo uma dura advertência: A de que apenas poucos indivíduos têm a chance de continuar a escrever a história após terem sido diagnosticados com câncer. Isto deveria convocar tais indivíduoa para um exame profundo de consciência, mesmo que esta consciência não existisse até então.

Quando explode uma refinaria de petróleo antes de eleição, ou um candidato a candidato procura um político desgastado, que não pode nem sair do país para lhe pedir apoio, ou uma "presidenta" em exercício não se manifesta em apoio a uma magistratura que esteja julgando crimes políticos, fico imaginando o quanto pode ser ingrato o ser humano.

Em contra partida, a doença "curada" deixa sequelas irreversíveis, onde o candidato já não consegue mais tanto arroubo, necessário para impor uma mentira, quanto mais, muitas mentiras e ao mesmo tempo. Durante uma campanha, de política, é preciso mentir sem ficar com a cara vermelha para quem o estiver ouvindo e isto, exige forçar muito o próprio corpo debilitado, marcado para sempre nesses tempos em que se pode quase curar um câncer em quem pode gastar a vontade com a cura. O que não se consegue ainda, é uma cura sem sequelas e, mais, a cura, não altera em nada o carater de político, a sujeira espalhada e que não pode mais ser limpada.    

sábado, 1 de setembro de 2012

Colcha de retalhos



Tem gente que nasceu com destino melhor e se fosse comparada com a confecção de uma colcha, seria ... uma colcha de rendas, bordada a mão e com destino certo, o de ser guardado talvez, num baú, ou num guarda roupas, ou qualquer outro lugar que impedisse o seu uso frequente, diário, que enxovalhasse e surrasse suas malhas, trançagens e nós da longa confecção.

Meu caso na questão do destino não é nem de longe uma colcha de rendas. Procuro minha identidade desde sempre, sem encontrar. Não sou doutor em nada, desses que acabam virando uma bula com sapatos de cromo alemão, que agora se sabe, eram fabricados no Brasil enquanto a China não inventava de fazer tudo mais barato.

Como ia dizendo, não sou doutor em nada e já fiz de tudo nesta vida procurando um ponto de referência e, creio até que eu seja como a maioria das pessoas que se sujeitam a patrões, que não sei do que são feitos, donde surgiram e porquê são tão cretinos e inteiramente ligados ao patrimônio, como se isto, fossem levar para a eternidade. A crendice de que irão deixar para a familia não acho que seja verdade. Familia de verdade não precisa de fortuna, precisa de presença, carinho, construção. Tais indivíduos, patrões, são absolutamente todos, arrogantes, permissivos, coniventes e cafajestes... principalmente quando jogam na rua, um novo desempregado desacostumado em servir a outro cretino qualquer.

As pessoas nascem com uma estrela, como dizem, mas a estrela que brilha em cada um, brilha diferente e a estrela do sujeito sujo, sem escrúpulos, moldado para pisar em pescoços, tem um brilho tenebroso, fácil de se reconhecer, mas, ao mesmo tempo, têm esse reconhecimento poupado em nome de vantagens momentâneas que propõem aos seus subordinados e até a simples interlocutores.

Minha colcha é de retalhos. Andei pela vida construindo nada e sempre fui o que chamam de perdedor, enquanto os vencedores que assim me acusam, todos eles, com quem conviví de certa maneira, têm vidas que eu não desejaria a meu pior inimigo e eles, tais vencedores, em suas vidas imbecis pensam que se satisfazem lá em seus egos degenerados por submissões assombrosas, caso fossem mais investigadas. Impossível desvencilhar o estorvo de 10/11 horas por dia - 365 dias por ano, durante 30 anos dedicados a um patrão ou a uma instituição, truste qualquer, sem se ferir de morte por uma repetição que só pode ser comparada a um bom relógio. Talvez um carrilhão.

domingo, 26 de agosto de 2012

Ouvindo a MEC FM. É madrugada no meu sofá


Ouvindo a MEC FM. É madrugada no meu sofá.
Tão distante vão ficando os dias  de glória que me assusta o frio, a solução que me impus com esse capote quebrado e sem botões. Tão distante que me assusta ver a calma do passarinho a catar migalhas com seu frágil caminhar atento em troca da vida que parece medir como presente, dádiva preciosa, pelo poder de estar e não estar... ao simples toque de asas magníficas, transoceânicas, enquanto aqui, no reduto enferrujando de meus pensamentos mal arrumados podendo pensar o passarinho, seu status no natural, mas não podendo acompanhá-lo além do olhar, seu alcance.
Meus limites foram aquém, muito aquém dos meus sonhos e até dos meus pesadelos e me parece agora que tudo foi uma cilada, ver tanto e poder tão pouco... infinitamente menos que o passarinho, lindo, leve, solto, atento, com poder de voar. Tudo o que não sou e, que pensava ser mais, quase rasteiro, de alcance inútil, vulgar pronto apenas para ficar, fazer um nome, ceifar emoções e rir como Inês também sorri, por da cá  àquela palha a mentir, mais pra mim do que ao muro que me enclausura no absinto de escuridão eterna como ameaça aos meus maus modos, úteis aos meus lábios e as pontas dos meus dedos contaminados pelo perigoso convívio de um lugar.. ao sol. Imagine! Que besteira.  

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Simplesmente repasso

Repasso o comentário de uma leitora - Gilda Bose, do Blog da Fernanda - Alma Lavada.

 Metáfora: somos a borboleta. Nosso mundo, destino, um jardim. Resumo de uma utopia. Programa para uma política. Pois política é isto: a arte da jardinagem aplicada ao mundo inteiro. Todo político deveria ser jardineiro. Ou, quem sabe, o contrário: todo jardineiro deveria ser político. Pois existe apenas um programa político digno de consideração. E ele pode ser resumido nas palavras de Bachelard: "O universo tem, para além de todas as misérias, um destino de felicidade. O homem deve reencontrar o Paraíso." (O retorno eterno, p 65).

Achei muito lindo o modo de expressão.

Flash Back

Andei andando pelo passado, viajando pelos sentidos e o resultado parcial disso são encontros memoráveis, onde os sons foram produzidos juntamente com a criação de novas possibilidades acústicas e temáticas:

Concert for George - Isn't it a Pity (Eric Clapton, Billy Preston, Jeff Lynne et al).flv

  http://www.youtube.com/watch?v=ELOe3f-hihc&feature=endscreen


http://www.youtube.com/watch?v=ghj5V5cUo1s&feature=bf_next&list=AL94UKMTqg-9CEp9PRgSjV7u8vGctB0Bh8  

 http://www.youtube.com/watch?v=2dQSHyffvtQ&feature=related