Translate

sábado, 7 de abril de 2012

Tempos atras

Minha mania estranha talvez, é de ouvir e assistir videos de Julio Iglesias por horas a fio na Internet. Isto me faz voltar no tempo, um tempo que não era melhor, mas era maior. A perspectiva do tempo era outra, não havia a preocupação com o fim mais iminente, visualizado.
Através das lentes dos meus óculos posso ver que cresce minha neta, as rugas da minha mulher, das minhas mãos e dos meus pés. A magia, no entanto, dos momentos em que Julio interpreta suas canções, ficaram no tempo, afixados, ao nosso dispor e faço uso disto, voltando aos momentos em que o podia ouvir, nas "fitas" do carro, na estrada, nas curvas, nas cidades que ficavam para trás, nos amores, confusões do meu pensar, imaginando um futuro, dias melhores, dias em tudo daria mais certo e, enquanto aguardava, tal futuro, ouvia música, canções maravilhosas, muito melhores do que àquele presente instável, difícil onde a ordem era pagar, comprar e tornar a pagar, como é ainda hoje, de um modo diferente, mas ainda muito preocupante.  

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Telefone tocou de madrugada

Anunciei na Internet um kitinet para alugar e entre vários telefonemas e Emails recebidos, um telefonema foi de uma... garota e, isto foi às 2 horas da madrugada. O diálogo foi mais ou menos assim:
__É sobre uma kitinet.
__Sim, é aqui mesmo.
__Com mobília é o mesmo preço de sem mobília?
Por fim ela agradeceu, parecendo não fazer ideia de onde fica Guarapari. Todo o acontecido, pela hora da ligação e pelo jeito de falar, me fez arriscar o seu perfil:
Idade entre 19 e 23 anos, linda, nascida em abril, estudante de alguma coisa mais abstrata e moderna, desejo de uma liberdade impossível, enjoada do namoro, querendo sumir - morar numa kitinet de um lugar qualquer, confiante em arranjar um bico, um emprego pra se virar e... pagar o aluguel, tomar uns drinks com novos amigos nos baraes da vida local, novo local e tals.
Tais viagens, com direito a telefonar de madrugada perguntando sobre o Kitinet, indicam a insatisfação de uma vida em formação, onde o atropelo faz parte da mobília, não de um Kitinet longínquo, mas da mobília do seu próprio quarto para onde olha enjoada de tudo, de todos,... do cachorrinho e da gata que mia querendo ração. A vida é assim, sem dar trégua. Na flor da idade, não se tem equilíbrio e na velhice não se tem saúde. Alguns conseguem sustentabilidade imposta - não poderia ser diferente, outros não. Outros sofrem as dores terríveis de um desassossego permanente amansado com álcool para não entrar no campo da ilegalidade. Não ser a estrela brilhante do universo em expansão, apesar do espelho não lhe negar a beleza, altera sim o seu humor. Faz dela uma bipolar, na visão da irmã menos voadora. Melhor: Que voa em outras naves.    

terça-feira, 3 de abril de 2012

Ta mais rasgado





Infelizmente vou confirmando minha opinião sobre a situação do rasgo, fenda no fundo do mar por onde vaza petróleo na bacia de Campos. A empresa Chevron  com sua plataforma, não consegue conter o rasgo, a rachadura por onde escapa o óleo e nem vai conseguir. Rachadura no solo é uma coisa muito mais séria do que multa - dizem agora que é de 20 bilhões de reais. Dinheiro neste caso, como na maioria dos casos por aqui, vai servir para comprar silêncio, mas fica o aviso: Senhores interessados em propina, tomem cuidado porque a rachadura parece ter proporção épica.
O acidente em questão já era para ter mobilizado o que há  de mais sofisticado em acidentes de petróleo no mundo e uma intervenção muito mais direta do governo brasileiro. Trata-se de uma guerra e não de uma fonte de propinas, o desastre que se alastra incontrolável no local.  Se fosse em águas dos EUA, garanto que todo o governo americano estaria trabalhando seriamente para consertar a fenda. A possibilidade de reparo, por mínima que fosse, estaria sendo perseguida.